1
Transporte e armazenamento da nutrição parenteral
O transporte deve ser feito em recipiente térmico exclusivo e dentro da faixa de temperatura entre 2ºC – 20ºC. No momento do recebimento da NP, deve-se verificar se a temperatura encontra-se nesse intervalo e registrar (alínea 4.5.5.3 da Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998).  Caso a NP não seja utilizada logo após sua chegada, deve permanecer armazenada sob refrigeração (2ºC a 8ºC), em geladeira exclusiva para medicamentos, segundo alínea 4.5.5.1 da Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998.

2
Antecedência da retirada da nutrição parenteral do refrigerador para administração e aquecimento da NP
6.5.1 Retirar a NP da geladeira com antecedência necessária para que a mesma atinja a temperatura ambiente, recomendada para a sua administração. (alínea 4.5.5.3 da Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998). Esse período pode variar de acordo com o volume da formulação e a temperatura do ambiente em que esta se encontra. O período de uma hora geralmente é o suficiente, reforçando também que a NP é uma infusão prolongada.
 
IMPORTANTE: não deve ser utilizada nenhuma fonte de calor (incubadora, micro-ondas, banho-maria etc) para aquecer a NP. Esses aumentos bruscos de temperatura aceleram a degradação e desestabilização da maioria dos componentes da NP e também aumentam bastante o diâmetro das esferas da emulsão lipídica.

3
Características e dados que devem ser observados antes da administração da NP
O aspecto da nutrição parenteral deve ser observado e deve ser homogêneo. As parenterais com lipídio são caracteristicamente brancas e, quando da adição de polivitaminas, ficam amareladas; já as soluções 2:1, que não contêm lipídios, são transparentes. Conferir também os dados de identificação do paciente no rótulo, instituição, data, término do preparo, taxa de infusão e tipo de NP. Além de conferir os dados do rótulo contra a prescrição.

4
Troca do equipo de infusão da NP
Segundo o documento publicado pela ANVISA, em 2006, na página 33 (ANVISA, Pediatria – Prevenção e Controle de Infecção Hospitalar, 1 ed, Editora ANVISA), para evitar a possibilidade de contaminação, a recomendação para troca dos equipos da NP é após infusão, ou seja, uma vez conectado o equipo, o mesmo deve ser dispensado ao final da administração do volume contido naquela bolsa.

5
Conexão do equipo à bolsa de NP
Fazer lavagem das mãos obedecendo à técnica asséptica;
Providenciar bancada limpa e higienizada;
Obedecendo à técnica asséptica, não tocar os pontos críticos ou pontos de conexão (bisel do equipo, via de conexão do equipo na bolsa), romper o lacre da via que não está com clamp ou tampa de via. No caso da ilustração abaixo, seria o acesso do meio;
Mantenha a bolsa sobre a bancada, na posição horizontal, e conecte o equipo na via indicada acima, isso evitará perfuração da bolsa.



6
Vias de acesso para NP
A via de acesso preferencial para NP é a central, pois,por essa via pode-se administrar misturas com osmolaridade superior a 900-1000mOsm/l, porém o acesso periférico pode ser utilizado também por um período mais curto e para soluções com osmolaridade inferior ao intervalo citado.

IMPORTANTE: os cateteres de inserção periférica, com posicionamento central, desde que bem posicionados e validados pelo RX, são considerados de acesso central.

7
Validade da nutrição parenteral
A nutrição parenteral individualizada é um produto extemporâneo, portanto, ela tem validade de 24h até o momento da instalação para administração, sendo administrada em mais 24h, isso totaliza 48h de validade total.

Ceqnep

Desenvolvido por C!A PPG